sábado, 29 de Março de 2014

- PME Excelência 2014

in, IAPMEI
   
IAPMEI distingue 1103 empresas com o Estatuto PME Excelência 2013


Foram apresentadas a 6 de fevereiro, numa cerimónia pública que contou com a presença do Ministro da Economia e do Secretário de Estado da Inovação, Investimento e Competitividade, as 1103 empresas distinguidas com o Estatuto PME Excelência 2013, um instrumento de reputação criado pelo IAPMEI, que visa sinalizar as pequenas e médias empresas com perfis de desempenho superiores.
São empresas que obtiveram os melhores desempenhos económico-financeiros e de gestão no exercício de 2012, e que conseguiram manter-se competitivas num contexto económico exigente, com crescimento e consolidação de resultados.
No seu conjunto, as PME Excelência 2013 são responsáveis por mais de 43 mil postos de trabalho direto e geraram um volume de negócios superior a 5,8 mil milhões de euros em 2012, que representou um crescimento médio de 9%, face ao exercício anterior.
Com um ativo líquido global de 4,4 mil milhões de euros, as PME Excelência 2013 apresentam uma autonomia financeira média de 52,6% e níveis de rendibilidade dos capitais próprios, do ativo, e das vendas, de respetivamente 17%, 9% e 6,9%.
O contributo destas empresas para as exportações foi de 1,7 mil milhões de euros em 2012, valor que representou um crescimento de 27% relativamente ao ano anterior.
São empresas que tiveram um crescimento de 31,7% nos seus resultados líquidos e que viram aumentar o seu ativo em 11%.
Em termos setoriais, a Indústria, com 427 empresas (38,8%), e o Comércio, com 278 empresas (25,3%), são as atividades mais representadas no grupo das PME Excelência 2013, ocupando 64% do universo total de empresas distinguidas.
O Turismo e os Serviços, cada um representando 14% das empresas, os Transportes, com 3,9%, e a Construção, com 3,7%, são a seguir as atividades mais representativas no conjunto das PME Excelência.
Em termos de localização, os distritos do Porto e Lisboa, seguidos de Aveiro, Braga e Leiria, com respetivamente 204, 184, 157, 144 e 93 empresas, são os que reúnem a maior concentração das PME Excelência 2013. 


NOTA: das 157 empresas PME E 2013 do distrito de Aveiro, o Concelho de Anadia tem uma única empresa; Aveiro, 26; Agueda, 15; Oliveira do Bairro 9; Mealhada, 3... só por curiosidade o distrito de Coimbra, tem 37 empresas PME E 2013!

quarta-feira, 19 de Fevereiro de 2014

- CONSUMIDOR – esse LOUCO EMOCIONAL

Porque as velhas técnicas de levar pessoas a consumir o que não precisam, de forma irracional e repetidamente ainda funcionam? Garoto(a)s propaganda, Opinion Leaders, Mascotes Patrocínios e Licensing, entre outras...
 
[AQUI]
 
 

segunda-feira, 17 de Fevereiro de 2014

- O desenvolvimento do empreendedorismo social como estratégia europeia

13/02/14, in OJE
Por Tiago Ferreira, Ativador da Rede IES Norte, Área de Acompanhamento do IES.



É reconhecido que o modelo económico-social da Europa precisa de se reinventar. Precisa de alcançar crescimento, não o do passado, alicerçado no sistema financeiro, mas sim o crescimento baseado na equidade, na proteção do ambiente e no desenvolvimento das suas comunidades.

Reunidos em Estrasburgo, em 16 e 17 de janeiro, mais de dois mil empreendedores sociais, representantes de estruturas de apoio como governos centrais e municípios, de
fundações e de empresas de toda a Europa, afirmaram o Empreendedorismo e a Economia Social como um setor que deverá desempenhar um papel maior no futuro europeu.

Os empreendedores sociais, como criadores de soluções inovadoras para os problemas sociais, são parte essencial desta agenda da criação do futuro europeu, e a Europa precisa de mais empreendedores sociais.

O evento de Estrasburgo foi importante enquanto espaço de debate (oportunamente denominado "Have your say!"), networking e co-construção de propostas para o desenvolvimento do setor, num modelo de participação inovador e pioneiro na União Europeia, de onde saiu a assinatura da Declaração de Estrasburgo. Nesta declaração, encontramos um quadro de intenções que pretende assegurar o compromisso dos vários agentes com a aposta continuada no desenvolvimento do setor. Temas como o investimento social, a medição de impacto e o crescimento das iniciativas empreendedoras estiveram na agenda principal de interesse e são desafios para os próximos anos.

Portugal fez-se representar por mais de duas dezenas de participantes, que contribuíram entusiasticamente com o seu conhecimento e experiência: para além do IES, empreendedores sociais de projetos como ColorADD, Presley Ridge Portugal e SEA (Agência de Empreendedores Sociais) marcaram presença no evento, mostrando a qualidade e diversidade do ecossistema português. Podemos afirmar que, como país, estamos acima da média da união europeia, em termos de desenvolvimento do setor do Empreendedorismo. Esta é uma bela vantagem competitiva que devemos saber aproveitar.

Trata-se de uma nova economia, uma economia convergente, uma economia do "fazer com" e menos do "fazer para", uma economia em que os seus participantes se interessam com o propósito da ação e não apenas com o benefício próprio. Nesta economia, o autismo não é apenas uma disfunção do desenvolvimento, mas sim uma força competitiva empresarial (como defende o projeto Specialisterne); o daltonismo não impede uma criança de colorir corretamente ou um adulto de ser autónomo na escolha de uma combinação de roupa (como revela o projeto Coloradd); e os mais velhos são mais felizes e autónomos durante mais tempo. Esta economia é uma economia melhor, é uma economia que envolve e serve a todos, e não serve apenas à criação de riqueza para alguns.

Estrasburgo 2014 é um passo firme num caminho longo, mas não utópico. O País Basco, aqui bem perto, na vizinha Espanha, é um caso de estudo real do elevado potencial de uma aposta estratégica neste setor. Nos anos 80, esta região, partindo de elevados níveis de desemprego e PIB per capita baixo, combinou uma estratégia de reindustrialização e desenvolvimento sustentável, apostando no envolvimento da população co-construtora do seu próprio desenvolvimento, no cruzamento entre os setores público, privado e social, e na inovação e sociedade do conhecimento.
Em três décadas esta região passou a ter um dos maiores PIB per capita da Europa, equiparável a países como a Holanda ou a Áustria, sendo mesmo superior
a Espanha. Tem hoje uma taxa de desemprego em linha com a UE, que é menos 10% de que Espanha no seu todo, e é a segunda região do mundo no Índice de Desenvolvimento Humano, segundo as Nações Unidas.

O primeiro passo para a construção de um futuro, como diz o Nobel da Paz e empreendedor social Mohammad Yunus, é visualizarmos que futuro pretendemos construir. A visão europeia é promissora: uma Europa mais sustentável, responsável e inclusiva, possível através do desenvolvimento do empreendedorismo social.

terça-feira, 4 de Fevereiro de 2014

- “A capacidade de inovação das PME está nas pessoas e não nos serviços, produtos ou processos”

Nuno Cochicho, district manager Norte Randstad, não tem dúvidas: uma empresa, independentemente da sua dimensão, sem departamento de Recursos Humanos, é o mesmo que um navio sem salva-vidas.


Como analisa a importância dos recursos humanos na capacidade de inovação das pequena e médias empresas?
Em Portugal, as Pequenas e Médias Empresas (PME) representam 99,9% do tecido empresarial nacional, sendo responsáveis por 82% do emprego e por 67,8% da produção nacional. Em números absolutos, existem cerca de 848 000 PME em Portugal, responsáveis pelo emprego de cerca de 2 676 000 pessoas e por cerca de 47 000 milhões de euros da produção nacional (dados Eurostat).

Os Recursos Humanos (RH) são fundamentais para que as empresas possam crescer de forma sustentada, dado que, a partir da estratégia definida pela administração, o departamento de RH deve motivar e dar condições para que os colaboradores possam procurar os resultados ambicionados. Assume especial importância as administrações das empresas terem, nos RH, um aliado que dará o suporte necessário no crescimento da empresa. Aquilo a que assistimos frequentemente nas PME é um negligenciar da importância dos RH enquanto ator atuante e organizado para mediar as relações, compartilhar informações, criar padrões de trabalho e acompanhar a sua evolução. Um erro comum verifica-se quando se tenta implementar nas PME modelos formatados que tiveram sucesso em grandes organizações. Para que os RH possam ser uma mais-valia para uma PME, é fundamental que variáveis como a cultura, o setor de atividade, entre outros, sejam tidas em conta, pois os RH têm que fazer parte do ADN da empresa e não algo que é adaptado de uma realidade distinta.

Em que medida os RH contribuem para aumentar a capacidade de inovação das PME?
Numa PME, a proximidade das pessoas pode ser um fator diferenciador e até competitivo, pois uma equipa próxima tende a ficar mais forte e comprometida. Quando se tem uma equipa menor, os RH conseguem desenhar planos de carreira e desafios tendo em conta o perfil e aptidão de cada colaborador, sempre alinhado às metas das empresas e acompanhar de perto o desenvolvimento do mesmo.

Assume especial importância que as PME não se aproveitem da sua dimensão ou segmento de atuação para oferecer aos seus colaboradores salários baixos, pois, independentemente do tamanho de uma organização, a mesma deve ambicionar ter os melhores profissionais.

Infelizmente, grande parte das PME em Portugal não dispõem de um departamento RH, pelo que é fundamental sensibilizar para a importância dos RH no crescimento e desenvolvimento das organizações.

A gestão de pessoas no cenário que nós encontramos é fundamental para a sustentabilidade de qualquer negócio, pois a implementação dos processos de RH terão impacto direto na produtividade, satisfação e motivação dos colaboradores. Tendo em conta que este processo demora a ser implementado, é importante que os líderes das PME tenham em conta que, independentemente da sua dimensão, não ter um departamento de RH é o mesmo que um navio não ter salva-vidas, até porque a capacidade de inovação das PME está nas pessoas, e não nos serviços, produtos ou processos.
in, 29/11/13 OJE

quinta-feira, 12 de Dezembro de 2013

- Conferência | Crescer & Competir 2020

A conferência Crescer & Competir 2020, que decorreu no passado dia 6 de dezembro, concretiza o evento anual do Programa Operacional Factores de Competitividade – COMPETE.
O COMPETE é o programa dirigido ao apoio direto e indireto às empresas na melhoria da inovação, internacionalização e competitividade.
A Sessão foi marcada por 2 momentos relevantes:
  1. A aplicação do dinheiro dos fundos estruturais e as conclusões da avaliação intercalar do programa realizada pelo consórcio Augusto Mateus e Associados e Price Coopers Portugal.
  2. Foram ainda dinamizados painéis de debate sobre a política publica e a económica no âmbito dos fundos estruturais 2014/2020 onde estiveram representantes de empresas, centros de saber e mercado financeiro.


 
A abertura coube ao Ministro da Economia, António Pires de Lima. Da intervenção que protagonizou assumiu que o investimento empresarial é uma das prioridades do governo e que o COMPETE tem um desempenho positivo enquanto instrumento de promoção dos fatores de competitividade da economia portuguesa, constituindo como um instrumento de apoio crucial às empresas.
Seguindo o programa deixamos algumas notas das intervenções que se seguiram:
O Papel dos Fundos Estruturais na promoção da competitividade | A caminho da Europa 2020 |Virgílio Martins DG Régio

O representante da DG Régio, Virgílio Martins, reforçou e relembrou que a política de coesão é o mais importante instrumento que está ao dispor da União Europeia para promover a modernização da economia. Deixando a nota que no novo quadro económico os recursos serão orientados estrategicamente para um crescimento inteligente, sustentável e inclusivo.
Os investimentos ao abrigo do FEDER concentrar-se-ão em 4 grandes prioridades
  • Reforço a Investigação, o Desenvolvimentos Tecnológico e a Inovação;
  • Acesso às tecnologias de Informação e comunicação fomentado a sua utilização e a sua qualidade;
  • Reforço na competitividade das PME’s, que constituem a espinha dorsal da EU e são motores essenciais de crescimento, criação de emprego e coesão;
  • Fomento de uma economia de baixo carbono em todos os sectores.
 
A experiência do COMPETE | Incrementar os factores de Competitividade | Franquelim Alves |Gestor do COMPETE
Franquelim Alves, Gestor do COMPETE, refere o ano de 2013 como um ano de objetivos atingidos.
Fazendo um balanço das informações mais marcantes do que foi o ano de 2013:
  • Aprovados 6.347 projetos
  • Investimento elegível aprovado no valor de 8,1 mil milhões €
  • Incentivo aprovado no valor de 3,9 mil milhões €
  • Criação líquida de mais de 19.000 empregos
  • Cerca de 5.000 empresas apoiadas
  • Cerca de 3.900 empresas apoiadas através de instrumentos de engenharia financeira
Salientando a alteração ao nível dos concursos que funcionaram em contínuo e que proporcionou um aumento significativo no número e na qualidade das candidaturas recebidas.
Terminou a sua intervenção naquelas que devem ser as linhas condutoras em 2014-2020:
  • Desmaterialização e automação de procedimentos
  • Foco no acompanhamento e execução
  • Reforço da componente de incentivo reembolsável e prémio de capitalização
  • Racionalidade da utilização dos recursos
  • “Up grade” dos mecanismos de execução e controlo da engenharia financeira
  • Maior integração de incentivos e gestão coordenada da “carteira” de projetos.
 
Os instrumentos públicos de apoio à Competitividade | Apresentação das Linhas Principais da Avaliação Intercalar do COMPETE | Augusto Mateus | Responsável pela Equipa de Avaliação AMA & PWC
O Prof. Augusto Mateus como responsável pela Avaliação Intercalar do COMPETE, começou a sua intervenção destacando que a experiência pode e deve servir de ensinamento e que estamos a tempo de preparar a nova programação 2014-2020 com qualidade.
Salientou que o COMPETE contribuiu, inequivocamente, para o reforço da orientação exportadora da economia portuguesa.
E em relação às conclusões da avaliação salientamos alguns pontos-chave:
  1. desempenho positivo com uma maturação longa dos seus efeitos
  2. as empresas apoiadas pelo COMPETE são melhores que o universo empresarial português comparável e prosseguem motivações e estratégias focalizadas nos principais desafios competitivos
  3. os resultados potenciais globais os projetos apoiados comportam uma dimensão de forte impacto nas empresas apoiadas dos projetos apoiados, sendo bastante expressivos e positivos, comportam desequilíbrios qualitativos que importa aprofundar e corrigir
Ficaram ainda algumas sugestões das quais destacamos a aposta na comunicação e divulgação dos apoios disponíveis por forma a induzir a sua procura e a sua utilização. Em suma uma comunicação centrada nos resultados que se pretendem obter.
Depois de uma apresentação detalhada do relatório e dos comportamentos a adotar de futuro ficou a conclusão em jeito de desafio: Sermos ousados, porque temos gente, meios, território, capacidades e uma rede pública de competências que nos permite ser muito ousados em relação à utilização dos fundos estruturais. Rigor e exigência são as palavras-chave para uma utilização de fundos que fomentem uma mudança estrutural.
Foi desta forma que terminou a 1ª parte da manhã. Os painéis que se seguiram versaram a temática do próximo quadro de programação 2014/2020.
Numa lógica de debate e troca de opiniões decorreram 2 painéis com temas distintos. O 1º painel dedicado ao I&Dt e à internacionalização na vertente do crescimento competitivo e um 2º painel sobre financiamento e o papel dos instrumentos financeiros no período 2014/2020:
PAINEL I – Crescer e Competir | Inovação, I&D e Internacionalização 2014|2020
Keynote Speaker: Francisco Veloso | Director da Faculdade de Economia da Universidade Católica
Oradores:
António Saraiva | Presidente da CIP (Confederação Empresarial de Portugal)
José Carlos Caldeira |Director do INESC Porto
Bruno Carvalho | CEO da Active Space Technologies
Moderador: Sónia Lourenço | Expresso
 
 
PAINEL II –Financiar a Economia | O papel dos Instrumentos Financeiros 2014|2020
Keynote Speaker : Franquelim Alves
Oradores:
Rui Semedo |Presidente Banco Popular Portugal
Joaquim Sérvulo Rodrigues | CEO da Espirito Santo Ventures
Virgílio Martins |DG Régio
Moderador: Sónia Lourenço | Expresso